Mandala, em sânscrito, significa círculo. A natureza expressa, em diversos lugares, o padrão de um círculo com um núcleo. Essa é a estrutura básica da criação – basta olharmos para o átomo.  Podemos perceber esse padrão nos mais diversos lugares: no planeta Terra, nas flores e até, de forma mais abstrata, nas estações do ano, nos ciclos da mulher – o vai e volta.

A imagem que leva o I Festival Internacional de Yoga para todos os lugares e pessoas que aqui vão estar  é essa mandala que vocês veem aqui embaixo. Aqui, ela carrega a filosofia que está por trás da construção desses três dias de compartilhamento que teremos… mas você sabe quais significados esse símbolo carrega?

O círculo sugere completude, inteireza, união. É uma forma de comunicação entre o eu interior e o exterior, a unificação do ser. A relação com o Yoga fica clara: em sânscrito, Yoga significa união, junção, soma. Na tradição tibetana, é utilizada como uma ferramenta para trabalhar o foco e a atenção dos aprendizes. O psiquiatra e psicoterapeuta, Carl Jung, considerava a mandala uma expressão universal da psique humana. Segundo ele, quando refletimos a partir delas, percebemos mais clara e profundamente nossa natureza intuitiva.
Para acessar o poder da mandala, é interessante que se busque um estado meditativo e de relaxamento antes de iniciá-la. Não há certo ou errado: o mais importante é liberar a mente para que, através da expressão material em forma de desenho, seja acessado o mais profundo estado que há dentro de nós.

Mandala em outras línguas (fonte: Google tradutor)

hindi:  मंडला   /  khmer: មណ្ឌល  /  malaiala: മണ്ഡല  /  tailandês: จักรวาล  /  tâmil: மண்டலா